Para os amantes de esportes olímpicos
Início » Inverno » Após aposentadoria do futebol, Petr Cech vira goleiro no hóquei no gelo e faz sucesso

Após aposentadoria do futebol, Petr Cech vira goleiro no hóquei no gelo e faz sucesso

Petr Cech se aposentou do futebol, mas resolveu continuar mostrando o seu talento no gol em outro esporte: hóquei no gelo. O jogador de 37 anos brilhou na sua estreia na nova modalidade.

Defendendo o Guildford Phoenix, Cech foi determinante para o triunfo do seu novo clube nos shootouts após o empate no tempo normal por 2 a 2 com os Wildcats, pela liga britânica de hóquei.

Siga o Olimpitacos no Instagram

O tcheco de 37 anos fez uma homenagem as suas duas últimas equipes no futebol e atuou com os escudos de Chelsea e Arsenal no capacete. Além disso, ele escolheu o número 39.

Em sua conta no Instagram, Cech aproveitou para esclarecer aos fãs que não deixou a função de assessor técnico e de desempenho do Chelsea. Ele foi anunciado para o cargo em maio logo após a aposentadoria dos gramados.

“Algumas pessoas parecem pensar que mudei de emprego. Não, eu não fiz. Felizmente, meu trabalho como assessor técnico e de desempenho do Chelsea não me impede de jogar o jogo que eu amava quando criança e que jogo há anos. Enquanto jogador de futebol profissional, não podia jogar os jogos por motivos óbvios, agora posso”, declarou.

Veja a defesa de Cech:

Gisèle de Oliveira

Gisèle de Oliveira

Jornalista apaixonada por esportes desde sempre, foi correspondente internacional do “Diário Lance!” na Austrália, quando cobriu os preparativos para os Jogos Olímpicos de Sydney-2000, e editora do jornal no Rio de Janeiro, trabalhou na “Gazeta Esportiva” e foi colaboradora de especiais da revista “Placar”, entre outras experiências fora do universo esportivo. Mineira de nascimento, paulistana de coração, é torcedora inabalável de Rafael Nadal, Michael Phelps, Messi e Rafaela Silva. Adora tênis, natação, judô, vôlei, hipismo e curling (sim, é verdade). Sagitariana e são-paulina teimosa, agradece por ter visto a Seleção de futebol de 82 de Telê, o São Paulo também do mestre Telê, o Barcelona de Guardiola e a Seleção de vôlei de Bernardinho em seu auge. Ah, chora em conquistas esportivas, e não apenas de brasileiros.

Adicionar comentário