Para os amantes de esportes olímpicos
Início » Na pista » Aos 7 anos, “mini Bolt” impressiona por velocidade nas pistas e nos campos

Aos 7 anos, “mini Bolt” impressiona por velocidade nas pistas e nos campos

Você já ouviu falar de Rudolph Ingram? Não está reconhecendo o nome? É muito provável que você conheça esse garoto de sete anos como o “mini Bolt”. O apelido é pela rapidez do menino que é capaz de correr 100m em 13.48 segundos, lembrando muito a velocidade do multicampeão Usain Bolt.

Nascido em Tampa Bay, na Flórida, o vídeo do norte-americano correndo viralizou nas redes sociais e fez com que o perfil dele no Instagram passasse dos 300 mil seguidores.

Rudolph tem 1,20m e pesa menos de 30kg, mas já acumula 36 medalhas, sendo o recordista nacional nas provas de 55m.

No entanto, não é só nas pistas que o menino faz sucesso. Ele é um verdadeiro sucesso também no futebol americano. O garoto é running back do Tampa Ravens, foi eleito o MVP (jogador mais valioso) da temporada, conseguindo 10 touchdowns.

Visualizar esta foto no Instagram.

Top Speed Today 15.63 MPH Just Cranking Up ✈️ ⚡️

Uma publicação compartilhada por Blaze The Great (@blaze_813) em

Visualizar esta foto no Instagram.

33 Game Win Streak Next Stop Superbowl 🎥⭐️🐐

Uma publicação compartilhada por Blaze The Great (@blaze_813) em

Gisèle de Oliveira

Gisèle de Oliveira

Jornalista apaixonada por esportes desde sempre, foi correspondente internacional do “Diário Lance!” na Austrália, quando cobriu os preparativos para os Jogos Olímpicos de Sydney-2000, e editora do jornal no Rio de Janeiro, trabalhou na “Gazeta Esportiva” e foi colaboradora de especiais da revista “Placar”, entre outras experiências fora do universo esportivo. Mineira de nascimento, paulistana de coração, é torcedora inabalável de Rafael Nadal, Michael Phelps, Messi e Rafaela Silva. Adora tênis, natação, judô, vôlei, hipismo e curling (sim, é verdade). Sagitariana e são-paulina teimosa, agradece por ter visto a Seleção de futebol de 82 de Telê, o São Paulo também do mestre Telê, o Barcelona de Guardiola e a Seleção de vôlei de Bernardinho em seu auge. Ah, chora em conquistas esportivas, e não apenas de brasileiros.

Adicionar comentário