Para os amantes de esportes olímpicos
Início » Ippons e nocautes » Mayra Aguiar projeta Tóquio-2020: Vou ser muito feliz em lutar na casa do meu esporte

Mayra Aguiar projeta Tóquio-2020: Vou ser muito feliz em lutar na casa do meu esporte

Dona de duas medalhas olímpicas (bronze em Londres-2012 e Rio-2016), a judoca Mayra Aguiar já projeta a disputa em Tóquio no ano que vem. Ela é a única atleta brasileira que subiu ao pódio em duas Olimpíadas em um esporte individual.

“Eu penso muito em Tóquio. Se eu conseguir lutar na casa do meu esporte, o japonês ama o judô, vou ser muito feliz podendo estar lutando essa competição. Foi incrível lutar uma Olimpíada em casa, foi uma experiencia maravilhosa. Se tudo der certo, vou estar muito feliz”, declarou ao Olympic Channel.

Siga o Olimpitacos no Instagram

Aos 28 anos, Mayra viveu metade da sua vida na seleção brasileira. “Temos uma equipe muito forte no judô. Sou muito feliz por estar participando de todos esses momentos. Entrei aos 14 anos na seleção, vi toda essa evolução, gente chegando, gente se aposentando”, afirmou.

E todo esse sucesso nos tatames poderia não ter acontecido. “Minha mãe me tirou do ballet e me colocou no judô para gastar mais energia”, contou.

“Na minha infância, eu sabia que eu ia conseguir ganhar, tinha isso muito forte dentro de mim. Comecei assim e já me apaixonei pelo judô”, completou.

Gisèle de Oliveira

Gisèle de Oliveira

Jornalista apaixonada por esportes desde sempre, foi correspondente internacional do “Diário Lance!” na Austrália, quando cobriu os preparativos para os Jogos Olímpicos de Sydney-2000, e editora do jornal no Rio de Janeiro, trabalhou na “Gazeta Esportiva” e foi colaboradora de especiais da revista “Placar”, entre outras experiências fora do universo esportivo. Mineira de nascimento, paulistana de coração, é torcedora inabalável de Rafael Nadal, Michael Phelps, Messi e Rafaela Silva. Adora tênis, natação, judô, vôlei, hipismo e curling (sim, é verdade). Sagitariana e são-paulina teimosa, agradece por ter visto a Seleção de futebol de 82 de Telê, o São Paulo também do mestre Telê, o Barcelona de Guardiola e a Seleção de vôlei de Bernardinho em seu auge. Ah, chora em conquistas esportivas, e não apenas de brasileiros.

Adicionar comentário