Para os amantes de esportes olímpicos
Início » Ippons e nocautes » Lobo-Guará, Ararinha Azul ou Jaguatirica? CBJ lança concurso para escolher mascote do Grand Slam Brasília 2019

Lobo-Guará, Ararinha Azul ou Jaguatirica? CBJ lança concurso para escolher mascote do Grand Slam Brasília 2019

A CBJ (Confederação Brasileira de Judô) abriu uma votação em seu site para escolher a mascote do Grand Slam Brasília 2019. O Lobo-Guará, a Ararinha Azul e a Jaguatirica, três animais típicos da fauna brasileira, são as opções ao público.

A votação acontece até o próximo dia 10. O vencedor será revelado no dia 12 de setembro no evento de lançamento oficial do evento na capital federal. Para eleger o seu favorito, clique aqui.

Muita polêmica envolveu a organização da etapa de Brasília do Grand Slam, que acontece entre 6 e 8 de outubro. A competição foi anunciada em abril, mas ficou em risco no meio de julho, quando a CBJ alegou falta de verba e revelou que tinha comunicado a IFJ (Federação Internacional de Judô) que tinha aberto mão da realização do torneio.

No entanto, a entidade voltou atrás no dia 31 de julho e divulgou um acordo para realizar o Grand Slam deste ano e do próximo ano após um acordo com o governo federal, a IFJ e patrocinadores.

Veja as mascotes:

Gisèle de Oliveira

Gisèle de Oliveira

Jornalista apaixonada por esportes desde sempre, foi correspondente internacional do “Diário Lance!” na Austrália, quando cobriu os preparativos para os Jogos Olímpicos de Sydney-2000, e editora do jornal no Rio de Janeiro, trabalhou na “Gazeta Esportiva” e foi colaboradora de especiais da revista “Placar”, entre outras experiências fora do universo esportivo. Mineira de nascimento, paulistana de coração, é torcedora inabalável de Rafael Nadal, Michael Phelps, Messi e Rafaela Silva. Adora tênis, natação, judô, vôlei, hipismo e curling (sim, é verdade). Sagitariana e são-paulina teimosa, agradece por ter visto a Seleção de futebol de 82 de Telê, o São Paulo também do mestre Telê, o Barcelona de Guardiola e a Seleção de vôlei de Bernardinho em seu auge. Ah, chora em conquistas esportivas, e não apenas de brasileiros.

Adicionar comentário